Pastor americano é espancado em hospital e levado de volta à prisão.

House Foreign Affairs Committee Hears From Wife Of American Pastor Being Held In Iran  House Foreign Affairs Committee Hears From Wife Of American Pastor Being Held In Iran  House Foreign Affairs Committee Hears From Wife Of American Pastor Being Held In Iran

 

 

 

 

Depois de passar dois meses em um hospital iraniano, o pastor Saeed Abedini foi reenviado à prisão Rajaj Shahr no Irã.  A transferência veio sem qualquer aviso prévio e membros da família no Irã confirmaram que ele foi duramente espancado no hospital onde se recuperava de uma cirurgia feita para reparar os danos físicos sofridos durante as sessões de tortura a que foi submetido nos interrogatórios.

Abedini estava há dois meses no hospital e na terça-feira, 20 de maio, foi espancado e transferido de volta à prisão, segundo informações do Centro Americano de Lei e Justiça (CALJ), que tem representado o pastor na luta por sua libertação.
“Este é um desenrolar extremamente decepcionante – que quebra o meu coração. Nossa família está profundamente entristecida e continuamos a orar por Saeed, pela sua segurança e sua libertação. Estamos muito gratos que tantas pessoas ao redor do mundo continuem a orar por Saeed”, afirmou Nagmeh, a esposa do pastor.

Quando o Pr. Saeed foi transferido para o hospital em março, foi inicialmente algemado por guardas que atacaram o pastor violentamente. Também foi negado a ele o tratamento médico e a visita dos familiares. Desde então e nas semanas que se seguiram, a sua situação no hospital melhorou. Membros da família tiveram permissão para vê-lo e ele teve acesso à refeições nutritivas.

Saeed Abedini é iraniano, porém se tornou cidadão americano após ir morar nos Estados Unidos, onde se converteu. Ele foi preso em julho de 2012 acusado de espionagem por conta de suas constantes viagens aos Estados Unidos. Entretanto, especialistas afirmam que o real motivo da prisão era sua conversão ao cristianismo.

O pastor Franklin Graham pediu aos cristãos norte-americanos que orem por Abedini, e se empenhem na causa da libertação do pastor, assinando a petição que cobra das autoridades iranianas que revejam o processo.

Pr. Saeed, completou 34 anos em 7 de maio e seu retorno à prisão vem quando esforços em todo o mundo continuam pela sua liberdade.

Pastor Saeed cumpre uma sentença de oito anos em uma das prisões mais duras do Irã simplesmente por compartilhar sua fé cristã. Junte-se a nós pedir à comunidade internacional para exigir a libertação deste homem inocente.  Aproximadamente 285.000 pessoas de várias partes do mundo assinaram a petição por sua libertação.  Se você ainda não o fez, ASSINE AQUI.

SOBRE O PASTOR SAEED:

saeedfree

Saeed Abedini , um pastor de 33 anos de idade , pai e marido de Idaho, está atualmente encarcerado na prisão de Evin , em Teerã, no Irã . Em 28 de julho de 2012, durante uma visita a Teerã para visitar a família e para finalizar os membros do conselho para um orfanato que estava construindo no Irã, a Guarda Revolucionária Iraniana deteve Saeed, afirmando que ele deve enfrentar acusações criminais por sua fé cristã.  Após interrogatórios intensos, Saeed foi colocado sob prisão domiciliar e disse esperar por uma intimação judicial . Em 26 de setembro de 2012, em vez de receber uma intimação dizendo-lhe onde deveria comparecer, cinco membros da Guarda Revolucionária invadiram a casa dos pais de Saeed em Teerã , confiscou muitos dos pertences de Saeed, e levou-o para um local desconhecido . Depois de quatro dias a Guarda Revolucionária informou à família que Saeed estava em confinamento solitário na prisão de Evin.
Saeed permaneceu em confinamento solitário por cerca de quatro semanas e foi transferido para a prisão de Evin. Durante o confinamento solitário, Saeed só foi levado para fora de sua cela pequena, escura para ser submetido a interrogatórios abusivos.
A Saeed tinha sido negado tratamento médico para as infecções que resultaram de espancamentos. O médico e a enfermaria se recusaram a tratá-lo, porque, como cristão, ele foi considerado “impuro” e um infiel.  A família de Saeed em Teerã pode visitar Saeed às segundas-feiras , mas ele não tem permissão para fazer chamadas telefônicas, impedindo-o de contato com sua esposa e dois filhos pequenos nos EUA.
No final de fevereiro, tornou-se conhecido que Saeed estava sofrendo de hemorragia interna, uma lesão das surras que ele sofreu durante os interrogatórios. Os médicos examinaram Saeed no início de março e determinaram que seus ferimentos justificam atenção imediata, e, na sua opinião médica, ele precisava ser tratado em um hospital não na prisão.  Durante um mês, o regime iraniano ignorou este conselho.  Em uma tentativa de apaziguar a pressão internacional, em 8 de abril de 2013, o Saeed foi levado para um hospital particular.  Antes de fazer isso, os guardas forçaram Saeed a mudar de uniforme da prisão com o de um assassino.  Saeed resistiu, os guardas espancaram, e obrigaram-no a vestir o uniforme.  Quando Saeed chegou ao hospital ele nunca foi admitido ou tratado, porque, de acordo com os guardas, o médico da equipe não estava presente.  Saeed relatou que vários companheiros de cela, que parecem estar ligados à polícia da inteligência iraniana, ameaçaram sufoca Saeed enquanto ele dorme.
Recentemente, a condição de Saeed tornou-se ainda mais grave. Tendo sido negado atendimento médico, ele foi jogado em uma solitária. De antemão, Saeed queixou-se de dor nos rins. Ele e vários outros prisioneiros escreveram uma carta para os funcionários da prisão, em protesto pacífico da falta de acesso a cuidados médicos.  Em resposta, as autoridades iranianas colocou dez prisioneiros em confinamento solitário, Saeed entre eles. Da última vez ele estava em confinamento solitário, seu estado de saúde agravou-se substancialmente.  Não há razão para acreditar que desta vez vai ser diferente. Saeed agora é vedado de qualquer visitação.
Uma petição foi iniciada em nome de Saeed , e rapidamente recebeu a atenção da mídia avassaladora. O Secretário de Estado Americano John Kerry pediu sua libertação, a Casa Branca pediu sua libertação, e a Câmara dos Deputados realizou uma audiência emocionante que destacou a situação do Pastor Saeed. Várias nações pediram a libertação de Saeed, e os advogados da ACLJ argumentaram seu caso perante as Nações Unidas.  A petição de Saeed tem mais d,e 610 mil assinaturas e uma carta escrita. A campanha para incentivar Saeed já recebeu mais de 50.000 cartas.  Artistas como Toby Mac, Michael W Smith, Steven Curtis Chapman, Mercy Me, Skillet, Relient K, e Audio Adrenaline foram envolvidos, e emprestaram sua voz para aumentar a conscientização.
Ainda há muito a ser feito. Mantenha-se informado com a história de Saeed através do Projeto ser ouvido.

Compartilhe sua história em mídias sociais usando #SaveSaeed e #beheard .

Fonte: ACLJ / Gospel Mais / http://beheardproject.com/saeed

Tradução: Joás Inacio

Spread the word. Share this post!

Leave a comment